Você não precisa desistir porque tem pouco dinheiro!

Se você acha que é impossível investir em um imóvel com pouco dinheiro, estamos aqui para dizer que está equivocado (a), e vamos mostrar o porquê.

Você sabia que existem várias maneiras de investir em imóveis sem precisar de muito dinheiro? É isso mesmo! Você não precisa desistir do sonho de comprar uma casa, apartamento, ou aquela sala comercial para o seu novo negócio e vamos lhe apresentar duas formas para realizar:

Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Fundos de Investimentos Imobiliários são grupos de investidores com o mesmo objetivo: aplicar recursos em negócios imobiliários!

O dinheiro que todos os membros do grupo investirem no fundo, em forma de cotas, é administrado por um gestor, que é o responsável por encontrar e realizar os investimentos mais interessantes e garantir uma boa rentabilidade para o fundo.

Quem investe em um fundo não está adquirindo um imóvel, porém, passa ter uma ou mais cotas do fundo que dão o direito de receber periodicamente uma parte do rendimento do investimento, que são chamados dividendos.

E como funciona na prática? Para comprar e vender cotas de fundos imobiliários é necessário estar cadastrado em uma corretora que intermediará as transações. Já existem cotas de FIIs a partir de R$ 100,00.

Vale ressaltar que, mesmo com apoio de especialistas, é importante entender que cada tipo de investimento demanda um perfil diferenciado de investidor, por isso, identificar com clareza as vantagens e os riscos de cada um deles é essencial para uma escolha mais consciente e lucrativa.

Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

Trata-se de um investimento de renda fixa, isto é, são títulos que pagam certa remuneração ao investidor em períodos previamente acordados.

É como se você emprestasse o seu dinheiro a um órgão emissor (banco, empresa ou governo) e recebesse juros por este empréstimo que representam o rendimento da sua aplicação.

Este tipo de investimento é isento de imposto de renda e geralmente tem um tempo mínimo de resgate de 90 dias. Pode ser pré-fixado, cuja remuneração é determinada no momento da aplicação, ou pós fixada, quando o investidor saberá o quanto irá receber somente no final da aplicação.

O valor mínimo para o investimento varia de acordo com o órgão emissor do título, mas é possível encontrar aplicações a partir de R$ 500,00.

A LCI é uma aplicação de baixo risco, possui a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) para valores de até R$ 250 mil. Portanto, se o emissor falir, você não perde o que investiu.

(Inspirado no artigo do Guilherme Machado)

Quais são os riscos dos fundos imobiliários?

  • Risco de mercado – Por serem negociados na Bolsa, os Fundos Imobiliários estão constantemente sujeitos ao risco de desvalorização do mercado
  • Risco de Liquidez – A quantidade de pessoas investindo nesse mercado ainda é pequena, afetando a liquidez do investimento
  • Risco de vacância – Não é 100% garantido que todos os imóveis do fundo serão alugados. Ou seja, caso haja dificuldade para encontrar locatários, a receita dos aluguéis será comprometida, afetando também o rendimento pago aos cotistas.
  • Risco de inadimplência – Não é incomum a situação de um locatário não pagar suas obrigações com o locador, ou seja, deixar de pagar o aluguel. Além da receita com aluguéis diminuir, pode gerar um custo jurídico extra ao fundo.

Para evitar a maioria dos riscos, é recomendável que você saiba se Fundos Imobiliários se encaixam dentro do seu perfil.

Mas não se assuste! A boa notícia é que investir nesse setor pode ser mais barato, prático e fácil do que imagina! Basta contar com suporte de uma pessoa de confiança!

Deixe uma resposta